A saúde do futuro está nos cuidados com o Paciente

A onda de especializações na área da medicina, como fisioterapeutas, neurologistas, cardiologistas, permite atender com mais profundidade determinados problemas e males. No entanto, o excesso de expertise acabou deixando um pouco de lado a humanização. Nesse sentido, a saúde do futuro terá como foco ainda maior o indivíduo. O que isso significa? Imagine o que vai além da doença em si. Muitas vezes, um diagnóstico ou tratamento tem um impacto enorme na vida pessoal do paciente. É uma visão macro que o médico precisa ter.

Uma ação que será cada vez mais relevante na saúde do futuro é examinar os demais pormenores da rotina pessoal. Um tratamento ortopédico não irá cuidar apenas da coluna do paciente:o profissional deverá avaliar quais condições a pessoa trabalha, se é preciso uma reeducação na forma em que desenvolve suas atividades profissionais, se é preciso orientações alimentares, para perder peso e evitar dores, etc. A saúde do futuro preza por uma visão global e trata mais o indivíduo e as consequências de sua saúde do que somente a doença.

A tecnologia na saúde do futuro

Há diversos meios no qual a tecnologia pode se inserir na saúde futuro e trazer mais eficácia a todos os processos de tratamento e diagnósticos. Um cenário atual bastante discutido nacional e globalmente é a eficácia da droga medicada. Por isso, as informações medicamentosas integradas ao Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) são tão importantes. O protocolos clínicos têm evoluído continuamente para que os dados fiquem à disposição e online, de forma que o médico possa requisitá-los quando necessário e de forma automatizada.

As automatizações são um ponto-chave na saúde do futuro. A partir dos dados clínicos capturados pela equipe da instituição médica, será possível que uma ferramenta voltada para o setor consiga oferecer sugestões de medicamentos que podem ter uma eficácia otimizada de acordo com o histórico da pessoa e durante aquela situação clínica específica. Também poderá recomendar exames e processos que podem auxiliar o profissional na tomada de decisão mais precisa.

Um outro ponto da utilização da tecnologia na saúde do futuro está em garantir a segurança da administração da droga, seja na dosagem ou para evitar possíveis trocas do que foi realmente medicado e o que está sendo ministrado no paciente. Quando esse processo é inteiramente feito manualmente numa instituição, é possível que ocorram erros humanos, numa confusão dos itens acima: dosagem e tipo de medicamento.

 

O Beira-Leito faz parte da saúde do futuro

 

Atualmente, uma tecnologia que tem se destacado por oferecer mais segurança e precisão no tratamento do paciente é o Beira-Leito. Os cuidados possibilitados pela tecnologia fazem com que os processos ocorram de forma correta e que não exista brechas para ocorrerem confusões. Com a capacidade de automatização, pode-se obter uma certeza maior de que o que foi indicado está sendo administrado corretamente. O Beira-Leito ainda consegue reduzir custos, trazer mais dinamismo ao atendimento com foco na pessoa e aumentar a produtividade de todos os profissionais.

Aqui, você pode conferir como o Beira-Leito tem sido uma revolução na área e por quais motivos é considerado uma das tecnologias da saúde do futuro. Faça o download do material educativo!

 

Saúde do futuro está na integração entre profissionais

 

Voltando para a relevância do PEP, durante um tratamento clínico de um episódio de saúde, é bastante normal que vários profissionais estejam envolvidos e em contato com o paciente. O médico que está tratando a enfermidade pode precisar de interações com enfermeiras, técnicos de enfermagem, nutricionistas, etc. É fundamental que todos estejam na mesma página e que as informações consigam fluir adequadamente em todo o processo.

Nisso, o PEP é uma forma de assegurar que a equipe inteira consiga colocar sua percepção, de acordo com a especialidade, e que todos consigam consultar de forma fácil para promover um tratamento completo. A visão multidisciplinar da saúde está bastante relacionada com o foco no paciente, pois permite que as observações dos profissionais possam ser acessadas por aqueles que estão atuando no caso. Com isso, podem ter a visão globalizada e a segurança destacadas anteriormente.

O futuro da saúde está, por fim, relacionado com a facilitação do tratamento e o engajamento do paciente. Há inúmeras formas sendo desenvolvidas para que o médico possa trazer todos os pontos citados anteriormente com mais rapidez, produtividade e automatização. O objetivo é que as pessoas fiquem sempre em primeiro lugar.

PEP para Oncologia

PEP para Oncologia traz ferramentas personalizadas para atender as necessidade da especialidade

Por Alice Schmitt e Daniela Bichara em 17 de Abril de 2017, via PIXEON.COM

 

O prontuário eletrônico do paciente simplifica o atendimento nos hospitais, consultórios e instituições de saúde, pois reúne as informações médicas em um sistema informatizado e unificado, além de facilitar a rotina dos médicos, enfermeiros e outros profissionais do ramo.

 

Conhecido como PEP, o Prontuário eletrônico do paciente é uma das ferramentas de apoio mais efetivas para o tratamento de um paciente, porque garante que todos os registros médicos fiquem armazenados em apenas um local.

 

Para clínicas e hospitais especializados, o PEP traz ainda mais benefícios pois pode ser personalizado por especialidade para agilizar e tornar mais efetivo o atendimento. Para instituições de oncologia, o sistema possibilita maior produtividade, já que a maioria dos procedimentos e medicamentos já estão registrados, facilitando a rotina dos profissionais da saúde. Dessa forma, o médico tem uma lista de procedimentos e exames da sua especialidade no PEP, trazendo agilidade ao processo, já que é possível localizar e solicitar tais exames em poucos cliques. Os módulos de cada especialidade trazem automatizações necessárias para situações específica. A instituição de saúde pode também configurar os formulários do paciente, se houver necessidade, excluindo, acrescentando novos itens ou ainda tornando alguns campos obrigatórios.

 

O sistema também coordena as principais ações na realização de determinados procedimentos. Ao receber a prescrição quimioterapia para um paciente pelo médico, o PEP já direciona cada uma das atividades envolvidas no procedimento. O agendamento irá prever a disponibilidade da cadeira e aparelhos necessários. A farmácia receberá a informação sobre a necessidade de tais medicamentos. Se não houver os medicamentos necessários na farmácia, o sistema já avisa no agendamento do procedimento. O faturamento receberá de forma automática todos os itens utilizados pelo paciente para cobrança. Dessa forma, todos os setores se comunicam a partir da informação centralizada no PEP. Além disso, o sistema já calcula automaticamente a miligramagem para medicação, a partir da informação de peso e altura do paciente.

O controle de miligramagem tem alguns aspectos específicos que merecem sua atenção. Veja abaixo.

 

Controle de miligramagem

Fazer o controle do miligramado em medicamentos é fundamental, principalmente para o departamento de oncologia, por exemplo, já que a medicação tem um alto custo e necessita de uma moderação mais rigorosa. Por exemplo, a dose de um medicamento oncológico é baseada em algumas variáveis, como estágio da doença, estado do paciente e seu IMC (Índice de Massa Corpórea). Assim, dois pacientes com o mesmo tipo de patologia podem receber uma quantidade diferente de remédio. Por isso, é comum precisar fazer a extração do miligramado de forma correta, utilizando um sistema para ajudar no controle e não desperdiçar medicamento.

 

É comum que as farmácias manipulem grandes quantidades de medicações para administrar diferentes doses aos pacientes. Ao entrar em contato com o ar, o medicamento que já foi aberto precisa de uma nova data de validade e, por isso, ter o controle dele em um sistema de gerenciamento, que gerencie, organize e armazena datas e miligramado de forma automatizada, otimiza o trabalho dos profissionais da área.

 

Outro fator determinante para o controle do miligramado é o overfill. Em geral, os fabricantes colocam uma quantidade maior do que a indicada no frasco, para que não falte medicamento. Alguns técnicos de farmácia são capazes de fazer a extração de toda a miligramagem contida no recipiente. Assim, além da reutilização do medicamento do mesmo frasco em mais de um paciente, ainda se ganha alguns mililitros na extração correta do overfill.

 

As regras dos convênios também são algo a se considerar no controle do miligramado, pois alguns convênios fazem o reembolso em relação ao frasco e outros aos miligramas utilizados pelo paciente. Neste caso, é importante ter um sistema de gestão que permita fazer a cobrança de acordo com a regra específica de cada convênio, economizando tempo e resolvendo as questões financeiras da administração das doses com rapidez e eficiência.

Lorem Ipsun

WS Technology estará presente na Hospitalar 2018

A Hospitalar e a ABCIS (Associação Brasileira CIO Saúde) promoveram, nesta quinta-feira (17/04), um café da manhã para discutir o futuro da tecnologia na área de saúde e o papel do CIO na transformação digital. O encontro contou com a presença de líderes da área e também diretores de grandes empresas de tecnologia.

A abertura do evento ficou a cargo de Jackson Barros, presidente da ABCIS. “Esse encontro é um marco, porque fortalece a aproximação da Hospitalar com os CIOs do Brasil”, apontou o executivo. Em seguida, Diane Coelho, gerente de negócios da Hospitalar Tecnologia, apresentou o que a UBM prepara para a feira deste ano, com destaque para programação do fórum HIMSS@Hospitalar e do espaço Health Connection, arena de conhecimento com palestras gratuitas. “Entendemos que o papel da Hospitalar é dar voz e conectar os profissionais e as empresas que farão a transformação desse setor”, afirmou.

Por fim, Guilherme Hummel, EMI head mentor do e-health Mentor Institute e coordenador científico do HIMSS@Hospitalar, apontou características do cenário atual, em que a disrupção faz parte do dia a dia dos profissionais, e apontou o que considera ser o papel de cada um nesse cenário. “Precisamos desmistificar a ideia de que as coisas vão continuar do jeito que são. Qual é o papel dos CIOs? Serem indutores, dizer a todos ao redor que, se fizermos as coisas do mesmo jeito, só vamos obter os mesmos resultados”, explicou.

Para saber mais sobre o Hospitalar Tecnologia, acesse o site. O HIMSS@Hospitalar tem patrocínio da GE HealthCare, InterSystems, AWS, Pixeon e Optum.

A Feira Hsopitalar acontece entre os dias 22 a 25 de Maio de 2018 e a WS Technology estará presente.

Fonte: Site Hospitalar

 

Fórum Alagoano de TI e Gestão em Saúde

Desde 2012 a WS Technology realiza o Fórum Alagoano em TI e Gestão em Saúde, um evento destinado a profissionais da área afim de atualizar os conhecimentos a respeito das inovações tecnológicas, tendências de mercado e procedimentos.

O 5° Fórum Alagoano teve a participação de palestrantes de diversos Estados brasileiros, incluive alguns com reputação internacional. Foram levantados temas como a Cirurgia Robótica, Bibliotecas Científicas, Evolução da Saúde, Portais de Compras e Dispositivos.