Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre

De desafios complexos por utilizar vários sistemas incompatíveis para gestão integrada em tempo real entre os setores assistenciais e administrativos.

Composta por sete hospitais na época da implantação do sistema Tasy EMR, a Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre carecia de um sistema de gestão em saúde que atendesse o volume e a diversidade de seus atendimentos, considerando a qualidade assistencial e a complexidade dos processos.

Por utilizar vários sistemas incompatíveis, a instituição contava com informações fragmentadas e enfrentava uma dinâmica de trabalho que demandava a repetitiva inserção de dados em diferentes setores, o que dificultava a governança estratégica para as áreas assistenciais e administrativas.

O Tasy entrega para o gestor de saúde uma plataforma na qual é possível monitorar procedimentos, orçamentos e ordens de processos em qualquer uma das nossas nove unidades.”
Jader Pires, Diretor-Executivo – Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre

“Enxergamos no Tasy uma plataforma integrada para as áreas de assistência e backoffice. O sistema faz parte do programa de transformação digital da instituição.” 
Helmar Almeida, CIO – Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre

O desafio do gerenciamento da quantidade e diversidade de informações geradas evidenciou a necessidade de investir em uma tecnologia customizável e capaz de compreender o dinamismo e a complexidade dos processos, aumentar o controle e aprimorar a qualidade da assistência, oferecendo maior confiabilidade aos registros e atendendo à demanda de dados em tempo real.

Jader destaca que “a Santa Casa está ampliando o número de hospitais e, com o auxílio da solução da Philips, conseguimos monitorar procedimentos, orçamentos e ordens de processos em qualquer uma das nossas sedes. O objetivo é agrupar todo o fluxo assistencial e monitorar toda a jornada do paciente, aprimorando o atendimento assistencial. Há, também, mais conforto para a gestão local, para a regulação de fluxos e para a segurança financeira do hospital.”

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *